Diário de uma Bi: Mamilos no Instagram. Homem pode. Mulher não pode. A Censura do Patriarcado




Florianópolis, 14 de novembro de 2019.



Olá, meu querido diário!



Ontem, vi uma matéria no Universa falando dos debates que estão acontecendo em protesto ao Instagram por censurar mamilos femininos e não censurar mamilos masculinos. Eu não quis deixar de falar sobre isso. Por que será que o corpo da mulher ofende?



Você sabe, meu querido diário, que fui vítima de censura pelo Instagram. Tive uma conta banida, sem nem mesmo aviso de censura.



Até mesmo alguns artistas como Ana Cañas, que mostrou os mamilos no mês de setembro, em uma de suas fotos, foi censurada pelo Instagram.



O absurdo dos absurdos.



Devemos protestar sim, exigir o nosso direito à liberdade e contra a objetificação da mulher.

Por causa do machismo e da misoginia, homens e mulheres habitam mundos bem diferentes.



Desde crianças, mulheres são ensinadas em casa e na rua, direta ou indiretamente, que não podem ser completas e felizes sozinhas, e que por isso seu maior objetivo deve ser se tornar desejável e agradável aos olhos dos homens.


Para isso, elas devem ser delicadas, cordiais, submissas, agradáveis, cuidadoras e, principalmente, bonitas, estarem sempre atentas para nunca errar. Quanto mais passiva e decorativa a mulher, melhor. A Super-Mulher!



Sem falar na desigualdade social, disparidade de condições de trabalho e da remuneração que está longe de ser igualitária entre homens e mulheres. Mulheres trabalham mais, além de cuidarem da casa, dos filhos e dos idosos da família.



As mulheres já nascem na desvantagem. Só de pensar que ainda temos que ser censuradas em tudo o que fizermos por essa sociedade do patriarcado infernal, me deixa estarrecida diante de tanta injustiça... Isso tem que mudar.



Enfim, acredito que é preciso realmente bater nessa tecla, martelar mesmo, pelos direitos das mulheres, pois te pergunto, meu querido diário, quando foi que algum direito nosso foi concedido sem luta? Nunca.



O que estou querendo dizer com isso tudo, meu querido diário, é que eu sei exatamente o que é estar na pele de uma mulher, principalmente uma mulher que teve seus direitos cerceados desde que se entende por gente.



Não vou me calar, e como diz a música dos Titãs:


Eu não vou me adaptar...”


Por hoje é só.



Bjos e até a próxima!