Diário de uma Bi: Mulheres e Caça às Bruxas, de Silvia Federici

Atualizado: 30 de Out de 2020


Mulheres e Caça às Bruxas, de Silvia Federici


Florianópolis, 29 de outubro de 2020.


Olá, meu querido diário!


Estamos chegando no Dia das Bruxas e lembro bem que a gente conversou sobre isso no ano passado. Você lembra, meu querido diário, que falei que preferia muito mais falar das poesias de Carlos Drummond de Andrade do que de Halloween? Pois bem, este ano vai ser diferente…

Eu não fazia ideia do que o Dia das Bruxas representava. Em minha Santa Ignorância, nunca tinha me atentado ao fato de que a Caça às Bruxas foi um momento histórico onde mulheres foram mortas, queimadas vivas e todas as que sobreviveram foram demonizadas, e até hoje vivemos com estigmas que são provenientes do medo do Patriarcado diante do poder das mulheres em tomar conta de si, deixando de ser propriedade dos pais, maridos ou do estado. Um massacre histórico desde muito antes de eu e você nascermos.



Nas histórias de contos de fadas e nos filmes de Hollywood, bruxa é uma mulher poderosa e maligna, um mostro que veio com a única finalidade de destruir o mundo e os homens.


Hoje, temos movimentos feministas que tentam regatar esse conceito, onde a ideia é ressignificar a bruxa: Uma mulher feminista, que é forte, inteligente independente e empoderada, do real "ser mulher".



Ressignificar para não assumir o símbolo como um xingamento, rebaixamento e apagamento histórico como o que aconteceu com as mulheres acusadas de bruxaria, transformando a situação numa lenda.



Eu tenho estudado e me engajado cada vez mais em pautas feministas e esse é um caminho sem volta, pois, segundo Albert Einstein,



“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu estado original”.

É bem por aí que quero seguir. No momento, estou lendo um livro chamado Mulheres e a Caça às Bruxas, de Silvia Federici, indicações de Rita Von Hunty, do Tempero Drag e Mari G, sua empresária e parceira de trabalho, que eu tenho uma admiração muito grande, pois luta bravamente pelas causas feministas e, assim como eu, tenta sobreviver, buscando sua liberdade de expressão, nesse mundo insano para as mulheres.

Enfim, e vai ter pauta feminista por aqui, sim, meu querido diário! Eu sei que você está muito orgulhoso de mim, que na minha humildade, reconheço que “Só sei que nada sei” mas ao mesmo tempo vibro com tudo que eu consigo aprender. Vibro com a minha vida, celebro a cada dia o fato de poder mais um dia, aprender algo novo, pois nunca é tarde para isso.

Ao mesmo tempo que minha mente se expande lendo os livros de Silvia Federici, posso compreender como a transformação é, de fato, de dentro pra fora.

Não dá mais pra ficar na superficialidade, avancemos nas profundezas da luta por nossos direitos. Façamos a nossa parte, cada um pode fazer um pouquinho e juntes possamos iluminar o mundo promovendo a verdade de nossas causas, ou seja, a igualdade, o amor, empatia e esperança de um dia, quebrar esse patriarcado.💁🏼‍♀️


SOMOS AS NETAS DAS BRUXAS QUE VOCÊS NÃO CONSEGUIRAM QUEIMAR!

GRATIDÃO, meu querido diário, por me ouvir.

Até breve!