Diário de uma Bi: Casal Liberal e Autoestima Bissexual


Relacionamento Poliamoroso: Professor Marston e as Mulheres Maravilha

Florianópolis, 23 de agosto de 2019.



Olá, meu querido diário!



Hoje é sexta feira e, como todo bom brasileiro, amo finais de semana.



Sexta-feira... sexa feira.



Vou me encontrar hoje com uma menina. Já fiz o cabelo, as sobrancelhas, as unhas, maquiagem... quero ficar linda!



Isso me remete a sexo e também a uma reflexão: você já reparou, meu querido diário, em como uma relação não-monogâmica pode ser um canal para elevar a autoestima de um casal, principalmente a da mulher? Pois é!



No meu trabalho conheço diversos tipos de casais, com situações e objetivos variados. Mesmo sem fazer nenhuma métrica,  consigo estimar que um bom número de casais que atendo, dentre os monogâmicos, existe um certo medo, muito ciúme e mentiras.



Muitas vezes, uma traição acontece por medo de se ter uma conversa sincera, medo de tentar entender a si mesmo, se encontrar como indivíduo e como casal.



Dentre os casais liberais, percebo uma sinergia maior e isso acontece pelo simples fato de terem sido sinceros uns com os outros.



É  lógico que todos temos limites, e tudo o que é combinado precisa ser cumprido, mas também não é  uma regra imutável. De tempos em tempos é  necessário voltar a tocar no assunto para ver se ainda estão querendo as mesmas coisas. Tanto que o casal pode tornar-se mais liberal ou menos liberal, ou mesmo deixando de ser liberal, ou voltando a ser liberal depois.



Enfim, tudo isso é muito saudável. O que não é saudável é reprimir sentimentos e desejos sem ao menos tentar entender o que está acontecendo, se abrir, conversar, para juntos,  resolverem a questão, pois para todo problema existe uma solução.



 "Pra tudo tem jeito!"


Não estou dizendo que um relacionamento monogâmico não seja saudável ou que não funcione. O que eu quero dizer é que não vale a pena viver fingindo, escondendo, empurrando o problema, porque eles não se resolvem sozinhos. Pelo contrário, eles tendem a aumentar e a situação pode chegar numa proporção incontrolável e o risco é machucar a quem se ama.



O resultado é um ciclo de mentiras e desconfianças ao invés de ter coragem de falar a verdade.



Portanto, sei que é difícil sair da zona de conforto do que se arriscar a perder o outro. Mas, por outro lado, as pessoas que querem ser felizes, se arriscam, ousam sair da sua zona de conforto e, muitas vezes, passando pelo problema, se sentem muito mais fortes e confiantes, independentemente do resultado.



Eu quero ser cada vez mais feliz, meu querido diário, por isso, quanto mais me arrisco, mais me chamam de doida.😆



Ah, tudo bem. Fala sério, né? 



Símbolo Bissexual

Eu nunca gostei de ser "normal" mesmo!😜



Bye, vou me apressar.



Tenho uma boquinha com batom pra beijar hoje❣ 😉